quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Receita de Ano Novo

Neste último dia de 2008, recorro ao poeta maior Carlos Drumond de Andrade para deixar uma mensagem de esperança para 2009, no sentido de que todos nossos desejos de justiça, paz e saúde se tornem realidade.
Para você ganhar belíssimo Ano Novo...
Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na Gaveta.
Não precisa chorar de arrependimento pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que, por decreto da esperança, a partir de Janeiro, as coisas mudem e seja de claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, Eu sei que não é fácil mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.
Um maravilhoso Ano Novo para você !

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Isenção de IR para quem tem 70 anos

Deu no excelente caderno Maturidade Moderna, de O Dia, que projeto de lei, em tramitação no Congresso, prevê isentar do pagamento de Imposto de Renda aos maiores de 70 anos. Pela proposta do senador Neuto de Couto (PMDB/SC), o contribuinte de 70 anos de idade poderia ficar isento do tributo federal para os rendimentos equivalentes a 10 salários mínimos. Pelos valores atuais, estariam isentos contribuintes que recebessem até R$ 4.150.
A matéria está em análise na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, onde receberá emendas até 3 de fevereiro. Depois disso, o texto segue para a Comissão de Assuntos Econômicos, onde deverá receber parecer final.Vamos torcer para que seja aprovada, pois trata-se de mais um avanço importante na valorização da Terceira Idade.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Vagas exclusivas em estacionamentos para idosos

A futura secretária municipal do Envelhecimento Saudável, Cristiane Brasil, vai sugerir ao prefeito eleito, Eduardo Paes, uma proposta de Decreto Municipal destinando 5% das vagas em estacionamentos públicos para uso exclusivo de idosos. A medida, segundo ela, visa cumprir a Resolução 303 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que além da reserva de vagas, padroniza a sinalização e regulamenta o processo de credenciamento aos beneficiados. Atualmente, a Prefeitura do Rio já reserva 2% das cerca de 45 mil vagas a portadores de deficiência física. Mas não destina vagas no sistema rotativo aos idosos.
- Embora a Resolução do Contran estabeleça um prazo de um ano para os órgãos municipais se adequarem à norma, é fundamental que a Prefeitura do Rio tome a dianteira deste processo, já que concentra a maior população de idosos do País – ressaltou Cristiane Brasil, reafirmando a determinação do prefeito Eduardo Paes em melhorar as condições de vida de todos os cidadãos, sobretudo dos idosos, que há anos vêm sofrendo discriminações de toda a ordem. “Estou esperançosa de que a medida seja aprovada e implementada logo no início do governo”, disse Cristiane Brasil.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Menos violência, mais inteligência


Merece aplausos a ação do Governo do Estado no Morro Dona Marta. A ocupação social daquela comunidade da zona sul da cidade do Rio de Janeiro mostra-se mais eficaz e duradoura do que a política de confrontos improdutivos com traficantes de drogas, que apenas deixava como legado corpos estendidos no chão. O jornal "O Globo" desta segunda-feira, mostra que até mesmo turistas estão fazendo questão de conhecer o Dona Marta. E o novo prefeito do Rio, Eduardo Paes, têm projetos para disseminar ainda mais a cultura da cidadania naquele pedaço da cidade até então esquecido pelo Estado. O próximo passo é ocupar socialmente a Cidade de Deus na zona oeste da cidade. Vida longa a essa nova política de ocupação.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Reverenciar idosos é obrigação



Nesta quinta-feira (18/12), dois exemplos de sublime reverência a personalidades idosas foram destaques durante a diplomação dos eleitos na Câmara Municipal do Rio. O mais antigo vereador em atuação, Sami Jorge, com mais de cinqüenta anos dedicados à vida pública, foi ovacionado por quase dez minutos de aplausos. E, além dele, a suplente Sandra Rabello, uma jovem senhora de cabelos cor-de-prata, também foi muito festejada. Para muitos a cena poderia ser comum, para nós é uma demonstração do vigor, da tenacidade e da perseverança dessa gente, que, apesar do passar dos anos, ainda faz da Melhor Idade instrumento de busca e realizações.

É gente que merece todo nosso respeito e admiração, que, mesmo de cabelos brancos, ainda têm muito a dar à sociedade, pois a maturidade é uma virtude, cujo valor ainda é negligenciado, principalmente por aqueles que insistem em ignorar a realidade atual, onde o envelhecimento populacional é confirmado em todas as estatísticas. Para mim, estamos no limiar de uma era em que, cada vez mais, a experiência dos mais velhos compartilhará com a pujança da juventude a responsabilidade de definir novos rumos em direção ao progresso e à justiça social.

Para tanto, é inadiável o compromisso das autoridades em assumir posições tendo em vista a implementação de políticas públicas obedecendo às expectativas e demandas dentro desta nova realidade, ou seja, em que a longevidade toma forma concreta na sociedade. É imprescindível, portanto, que todas as instituições públicas ou privadas repensem suas estratégias, visando adequar-se, pois, se assim não procederem, estarão fadadas ao fracasso.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Direitos (des) humanos



Depois de 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o momento está mais para reflexão e lamento do que para qualquer tipo de comemoração, pois, apesar dos compromissos pela vida, liberdade e justiça, assumidos em 1948 pelas Nações Unidas, o que vemos hoje é o aprofundamento da exclusão, da desigualdade e da injustiça para grande parte da humanidade.

Segundo relatório da Anistia Internacional, em 81 países o cotidiano ainda é de maus tratos e torturas, em outros 54 países pessoas são submetidas a julgamentos injustos e em outras 77 nações há restrição de liberdade de expressão e pensamento. Para instituição, o fracasso das políticas de respeito aos Direitos Humanos é atribuída à falta de compromisso dos líderes mundiais, que preferiram fechar os olhos à barbárie, numa cumplicidade tolerante por conta muitas vezes de arranjos políticos.

Foi assim com a China, que continua a ignorar as promessas assumidas quando da realização dos jogos olímpicos, como, por exemplo, acabar com a “reeducação” dos dissidentes e a comunidade internacional também é tolerante com a Rússia, onde são claro os abusos contra habitantes da Chechênia. Os Estados Unidos e a União Européia também são citados pela Anistia Internacional, pois os americanos continuam a ignorar os apelos pelo fechamento da prisão de Guntanamo, e os europeus são citados por “entregar” refugiados políticos. Ou seja, de onde se poderia esperar o exemplo, é justamente de onde só ouvimos promessas e cobranças.

A verdade é que violações aos direitos básicos da pessoa não deveriam ser comuns, em pleno século XXI, praticamente em todas as partes. Isto só serve para constatarmos a ausência de compromisso com a civilidade e o quanto estamos longe das expectativas anunciadas em Paris, em 1948, principalmente quanto ao primeiro compromisso: "Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos."

Aqui no Brasil, a violência vitima milhares todos os anos, a escravidão é evidente e as autoridades continuam sem projetos para os nossos jovens, que continuam sem direito à educação e à saúde, requisitos básicos aos Direitos Humanos. A esperança de todos nós é que a civilidade sobreponha à barbárie, porém, antes disso, é preciso que o homem abstenha-se da ganância pelo poder, muitas vezes passando por cima de todos os valores que deveriam nos fazer diferentes dos animais. Este, para mim, é o maior desafio da humanidade.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Parabéns à Unati

Pela iniciativa de lançar uma cartilha que alerta aos mais idosos sobre a necessidade de se prevenir contra possíveis situações de risco, como uma inocente ida ao banco, a Universidade Aberta da Terceira Idade (Unati) merece mais uma vez parabéns. Sempre à frente de seu tempo e inovando ano após ano, a Unati é uma daquelas entidades que dão orgulho ao Rio de Janeiro. Fica o registro.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Marolinha do Lula


Apesar de o governo ter anunciado que os efeitos da crise financeira mundial seriam mínimos, a verdade é que os feitos maléficos na economia real do país começam a aparecer. A indústria começa a demitir, bem como o setor bancário. No último mês, pelo menos 200 funcionários de uma instituição bancária de médio porte perderam seus empregos, e as montadoras de automóveis anunciaram férias coletivas. Enquanto isso, os gastos públicos continuam aumentando, na contra-mão da prudência necessária e responsável nestas horas de crise. O ano de 2009 promete muitas emoções políticas e econômicas.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Carta ao Globo

Em relação ao artigo ‘Escolhas municipais’, de Luiz Garcia, na edição de O Globo 02/12, no qual faz considerações pessoais sobre o secretariado do prefeito eleito, inclusive com referência implícita ao meu nome para a secretaria de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida, ressalto que um dos critérios anunciados pelo prefeito eleito Eduardo Paes para definir seus auxiliares mais diretos foi o da competência. Tenho certeza que a escolha deveu-se também a minha experiência à frente da Secretaria da Terceira Idade do município em 2003 e 2004.
Quanto àqueles que insistem em diminuir a causa do idoso, é só atentar para o que diz o próprio noticiário sobre o envelhecimento da população brasileira nestes últimos dias, inclusive, com dados do IBGE, para perceber a responsabilidade que o Poder Público deve ter para com esta realidade. Aliás, o noticiário também trouxe cenas fortes de maus-tratos a uma idosa pelos próprios familiares, num contra-ponto com referências jocosas à causa da Terceira Idade por comentaristas de plantão.
Sabemos que todo o esforço para mudar o comportamento das pessoas em relação aos idosos depende da conscientização da sociedade, que deveria parar de acreditar na propaganda da juventude eterna e cair mais na realidade da prevenção pela qualidade de vida, que é o que realmente nos garante uma vida longa, com saúde e mais independência.
Por fim, ressalto que aceito qualquer tipo de crítica, só não posso concordar com pré-julgamentos, principalmente, de quem deveria ser parceiro na luta contra discriminação pela idade
.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Carta Aberta à população do Rio

Este assunto está na capa do site. Mas como sei que muita gente tem por hábito acessar diretamente o blog, vou postar aqui também minha carta aberta à populaçãodo Rio explicando meu posicionamento ante o imbróglio criado pelo Ato de Resolução 09/2008 da Mesa Diretora da Câmara Municipal.

Carta Aberta à população do Rio,

Em primeiro lugar, gostaria de pedir desculpas aos cidadãos cariocas por ter retirado da pauta da Câmara Municipal do Rio de Janeiro o Projeto de Resolução 84/08, que previa o afastamento compulsório, sem remuneração, de qualquer vereador preso, após prazo de 31 dias, com a convocação imediata de seu suplente. Desculpas sim, porque a decisão que tomei prejudicará a todos nós, moradores dessa cidade, que buscamos a justiça e o processo de depuração da política e dos políticos.
Aos fatos. Como advogada e vereadora, jurei defender as leis e as instituições, defender a democracia e as pessoas. E foi pensando nisso que escrevi, pessoalmente, o Projeto de Resolução número 84/2008. O objetivo do mesmo era sanar uma lacuna encontrada em nosso Regimento Interno, omisso em relação à ausência do parlamentar quando levado à prisão ou nela recolhido por determinação do Poder Judiciário.
Se aprovada em Plenário, a medida asseguraria à Mesa Diretora que, de ofício, após o trigésimo primeiro dia de prisão de qualquer vereador, portanto após o prazo da prisão preventiva de trinta dias, determinasse o afastamento deste, como dito, sem vencimentos, enquanto o mesmo se encontrasse preso. Na vigência do Projeto de Resolução 84/08, não seria o Legislativo que julgaria um de seus pares, mas sim a justiça. Enquanto isso, a Câmara continuaria a trabalhar com quórum completo. Mas a Mesa Diretora optou por outro caminho.
No caso em pauta, equivocadamente, a Mesa Diretora vinculou a votação do meu projeto à cassação ou não do mandato de um vereador que está preso, usando para isso o Ato de Resolução 09/08, deturpando completamente o sentido do Projeto de Resolução 84/08. Foi uma tentativa de livrar-se de responsabilidade.
E esse é um ponto fundamental. Usando o Ato de Resolução 09/08 como anteparo, a Mesa Diretora da Câmara não cumpre a lei vigente, a saber, o Regimento Interno da Casa, no caso atual de estouro do limite de faltas, sob o argumento de aguardar "a deliberação do plenário a respeito do Projeto de Resolução 84/08". Trata-se de flagrante ilegalidade condicionar, o "dever de fazer", como manda o Regimento, a uma "expectativa" de aprovação de um Projeto de Resolução.
Por isso, meu posicionamento contrário aos Códigos de Ética. Principalmente no poder Legislativo Municipal, onde os parlamentares não gozam da prerrogativa da imunidade. Invariavelmente, nesses julgamentos, "pune-se" um mandatário quando não interessa a preservação do mandato e "preserva-se" o mandato daqueles que forem do "time" da maioria conjuntural.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Os aposentados merecem respeito

Desde a última semana, a mídia tem destacado a possibilidade dos aposentados e pensionistas, que recebem acima de um salário mínimo, terem finalmente restabelecido parte do seu poder de compra. Massacrados desde 1995 por conta do fator previdenciário, que achata a cada ano seus benefícios, estes brasileiros que muito já fizeram por nosso país, teriam, de acordo com a proposta do senador Paulo Paim, novamente os benefícios equiparados ao número de salários mínimos pelo qual se aposentaram. Por incrível que pareça, o governo do presidente Lula, está armando o que podemos chamar de uma verdadeira força tarefa para barrar a proposta quando esta for votada na Câmara dos Deputados, onde o governo tem ampla e folgada maioria. O argumento é que o reparo ao dano já causado aos aposentados traria rombo de mais de R$ 60 bilhões aos cofres da Previdência a cada ano. Conversa pra boi dormir. O que causa rombo na Previdência é a má gestão dos recursos públicos, a sonegação de grandes empresas, além da falta de fiscalização que torna propício o terreno para desvios e fraudes. Os aposentados têm se manifestado, diariamente, por meio das seções de cartas dos jornais repudiando a manobra gorvenista e exigindo a aprovação de seus direitos. Fiquemos de olho.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

I have a dream


“Quando os arquitetos de nossa república escreveram as magníficas palavras da Constituição e da Declaração de Independência, estavam assinando uma nota promissória de que todo norte-americano seria herdeiro. Esta nota foi a promessa de que todos os homens, sim, homens negros assim como homens brancos, teriam garantido os inalienáveis direitos à vida, liberdade e busca de felicidade”.
Martin Luther King
As palavras iniciais do discurso de Martin Luther King, na tarde histórica de 28 de agosto de 1963, vêm à atualidade com a eleição de Barak Obama à presidência da maior nação do mundo, e pela qual retomam-se as esperanças de resgate do verdadeiro sonho americano, em que o espírito de liberdade e de oportunidade alimentava oprimidos do mundo todo.
É verdade que os tempos são outros, mas os desafios de luta contra as desigualdades são os mesmos. Porém, só o rompimento da barreira racial demonstrada pela sociedade americana, que deixou de lado seu estigma conservador, já é uma alusão de que ‘a mudança chegou à América’, como o mesmo Barak enfatizou em seu discurso de presidente eleito.
Outra evidência que fica com a vitória do senador democrata é a certeza de que é possível crer nos sonhos e ideais, que até a atualidade se encontravam esquecidos, subjugados pelas personalidades de poder, cujas ganâncias e vaidades estão com seus dias contados. Não digo que as mudanças serão àquelas que todos almejamos, em que a felicidade universal esteja garantida, mas o que desejo ressaltar é o ineditismo de um fato histórico, onde valores nobres, como justiça, lealdade, solidariedade e ética, nortearam o discurso da mudança.Que os ventos democratas do Norte inspirem nossos homens públicos, muitos aprendizes de estadistas, onde a palavra é somente um conjunto de letras, e não traduzem compromisso. Estes deveriam mirar-se na história de perseverança e fidelidade nas convicções e posturas morais do senador democrata. Que não façam do poder um meio de impor seu próprio ego acima do interesse maior da sociedade.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Global crash III



Para quem ainda duvida do estouro da bolha especulativa, pela qual o governo cegou a Nação por muito tempo, tomo licença para republicar artigo de César Benjamin, da FSP, de 01/11 passado.


A marcha da insensatez
Cesar Benjamin


ESCREVER SOBRE a vulnerabilidade da economia brasileira era uma heresia há poucas semanas. Agora, quase se tornou desnecessário. Desabam as mistificações sobre as nossas blindagens. A fase aguda da crise mal começou e já tivemos de recorrer a um empréstimo de US$ 30 bilhões do Fed (o banco central dos EUA), que dispensou intermediários e passou a operar como emprestador de última instância a bancos centrais vulneráveis. Uma consulta a alguns números da economia brasileira mostra por que entramos na primeira lista de países socorridos, ao lado de México, Coréia do Sul e Cingapura.
Desde 2002, mais de 80% do que recebemos do exterior, na forma de saldo comercial, foi enviado de volta, na forma de remessas de serviços e rendas. O pequeno saldo restante fica longe de explicar o acúmulo de cerca de US$ 200 bilhões em reservas, alardeado como sinal de solidez.
A maior parte dessas reservas foi formada com capital externo de curto prazo, atraído ao Brasil pelos juros altos e aqui distribuídos em ativos dotados de elevada liquidez. As reservas brasileiras são a contrapartida de um passivo líquido que, ao se mover, pode reduzi-las a pó. Enquanto o governo comemorava o "fim da dívida externa", formava-se uma nova dívida mais perigosa.
Esse capital de curto prazo não planta um pé de alface. Ao contrário: ao entrar, valoriza o câmbio e contribui para fragilizar o sistema produtivo. Não faltaram advertências sobre isso. Mas a valorização cambial tinha aliados poderosos: ajudava o BC a atingir as metas de inflação, aumentava as remessas de lucros das empresas multinacionais e permitia gigantescos ganhos aos especuladores. Passear com recursos pelo Brasil, remunerando-os com a nossa generosa taxa de juros, e remetê-los em seguida para fora, comprando dólar barato, foi o melhor negócio do mundo nos últimos anos.
Enquanto isso, a nossa pauta de exportações se empobrecia, concentrando-se naqueles produtos em que temos grandes vantagens comparativas -as commodities. Todos sabem que, no longo prazo, isso é perigoso. Porém, um dos subprodutos do ciclo especulativo foi justamente o aumento de preços dessas mercadorias de baixo valor agregado. Nossas exportações estagnaram em quantum, mas cresceram em valor, ocultando temporariamente o problema. Em paralelo, para que os exportadores brasileiros compensassem o câmbio ruim, o BC os estimulou a entrar pesadamente na especulação com moedas. A bolha se disseminou. As advertências de que o arranjo tinha pés de barro foram sistematicamente desqualificadas.
Mesmo com a crise internacional se avolumando desde agosto de 2007, não adotamos salvaguardas.
Colheremos os resultados em 2009. As empresas que tiveram grandes perdas cortarão investimentos. Com a queda nos preços das commodities, o saldo comercial ficará perto de zero. As remessas de recursos ao exterior aumentarão, elevando o déficit externo. O BC adotará políticas recessivas, que provavelmente incluirão um novo choque de juros. Os prejuízos serão repassados ao Tesouro Nacional, contabilizados como déficit público, reforçando o coro favorável a mais uma rodada de cortes em gastos essenciais, como se salários de professores e investimentos em infra-estrutura fossem a causa da crise. É a marcha da insensatez.
O Fed deixará conosco US$ 30 bilhões até abril de 2009, para que possamos segurar a oscilação cambial e acalmar os mercados. O capital de curto prazo, com certeza, entendeu o recado: tem seis meses para ir embora sem maiores perdas. Depois, seja o que Deus quiser.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Cidade Maravilhosa


Pelo menos na história recente do Rio, poucas vezes se viu uma demonstração de unidade de todas as esferas de poder em prol da cidade. O anúncio das primeiras medidas, como a volta da ordem urbana, é prenúncio de que a era do populismo irresponsável e demagógico chegou ao fim. É hora de juntarmos forças e esperanças no sentido de tirarmos o Rio das páginas policiais e trazê-lo de volta ao verdadeiro espírito carioca de outrora, resgatando a Cidade Maravilhosa ao seu devido lugar: capital cultural do País. Viva o Rio de Janeiro!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Novo guia para turistas idosos

Já se encontram nas agências da Caixa Econômica Federal exemplares do novo Guia Viaja Mais - Melhor Idade, que traz a relação completa de hospedagem e pacotes turísticos com promoções especiais para quem tem mais de 60 anos. Segundo o Ministério do Turismo, o material reúne todas informações para o viajante, com várias promoções, incluindo descontos de até 50% para os idosos. O programa já conta com 12 cidades de origem cadastradas, levando turistas da terceira idade para 36 destinos receptores do Viaja Mais Pacotes. No guia, o interessado poderá escolher entre 22 operadoras de turismo e 1.446 agências capacitadas à disposição desse publico, que oferecem cerca de 664 pacotes diferenciados.
Para ter direito ao desconto, o hóspede pode fazer sua reserva on-line no site www.viajamais.com.br ou poderá entrar em contato diretamente com o hotel desejado. A promoção é para o ano inteiro, mas o desconto de até 50% só vale para baixa estação. Nos últimos anos, o setor de turismo teve um incremento maior graças a participação cada vez maior do público da terceira idade.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

174 II

Sobre o seqüestro das adolescentes em Santo André, mais uma vez, a transformação de um drama de violência urbana em espetáculo televisivo acabou por contribuir para o fim trágico daquele episódio. Para mim, o não isolamento acabou por fazer daquele facínora uma celebridade em horário nobre. É possível que o caso seja usado como exemplo de como não se deve agir em situações semelhantes. É inaceitável o que aconteceu.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Global crash II




Por mais que as autoridades do primeiro mundo tomem medidas para debelar a crise, com o despejo de bilhões e bilhões de dinheiros públicos nos bancos em insolvência, a verdade é que a confiança dos povos no sistema foi para o brejo. E confiança não se compra, se conquista. Uma nova ordem mundial deve surgir com o colapso financeiro e o mundo capitalista passará por questionamentos, que obrigarão aos donos do mundo revisão nos mecanismos de controle. Depois da queda do Muro de Berlim, o mundo, agora, se deu conta de que ficara capenga. O reequilíbrio levará tempo, a um custo incomensurável. O momento é de prudência em todos os sentidos.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Ao Mestre, com carinho



Ser Mestre

Tarefa difícil, mas não impossível,

tarefa que pede sacrifício incrível!


Tarefa que exige abnegação,

tarefa que é feita com o coração!


Nos dias cansados, nas noites de angústia,

nas horas de fardo, de tamanha luta,

chegamos até a questionar:

Será, Deus, que vale a pena ensinar?


Mas bem lá dentro responde uma voz,

a que nos entende e fala por nós,

a voz da nossa alma, a voz do nosso eu:

- Vale sim, coragem!


Você ensinando, aprende também.

Você ensinando, faz bem a alguém,

e vai semeando nos alunos seus,

um pouco de PAZ e um tanto de Deus!

Obrigado, meus mestres, por vocês existirem!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Tambores de guerra

Pela primeira vez, o governo reage ao cerco bolivariano impetrado pelos candidatos a ditadores da Venezuela, Bolívia e mais recentemente Equador e Paraguai. Camuflado pelo momento eleitoral, no dia 2 de outubro, o governo publicou o Decreto Nº 6.592, que regulamenta a Lei nº 11.631/07, que criou o Sistema Nacional de Mobilização – SINAMOB. Um dos artigos do decreto diz textualmente o seguinte:

“São parâmetros para a qualificação da expressão agressão estrangeira, dentre outros, ameaças ou atos lesivos à soberania nacional, à integridade territorial, ao povo brasileiro ou às instituições nacionais, ainda que não signifiquem invasão ao território nacional.”

O recado é claro: perseguição a cidadãos brasileiros em paises vizinhos, como Paraguai e Bolívia, além de ameaças de tomada de empresas brasileiras legalmente operando em outros países, poderão caracterizar agressão externa. Na verdade, o que o decreto representa é que uma resposta militar passa a ter amparo legal. E não é à toa que nos últimos meses, pelo menos cinco grandes manobras militares foram realizadas no País.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Global crash

Ainda entorpecida pelo momento eleitoral, a sociedade ainda não se deu conta da gravidade da crise que se abate sobre o mundo. Apesar de o governo insistir que não temos muito com o que nos preocupar, o mais provável é que o futuro seja negro para todos, principalmente, para os emergentes. A crise de confiança abalou os alicerces do modelo econômico mundial e suas conseqüências são imensuráveis no momento. Mas, com certeza, de uma forma ou de outra, todos sofreremos seu impacto. Frutos podres da globalização. O triste é saber que, durante o ciclo virtuoso dos últimos anos, o governo não fez o dever de casa, preferindo trocar reformas imperiosas por medidas populistas, como o aparelhamento do estado, por exemplo. A grande questão é: qual o nosso quinhão de sofrimento para restabelecer a ordem mundial?

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Dia do Idoso



Na semana em que se comemora o Dia do Idoso a sociedade já se deu conta de que não é mais tão jovem quanto nas décadas de 60 e 70, quando éramos considerados o País da eterna juventude. A partir dos anos 80, a realidade começou a mudar, e a população dos que tem mais de 60 anos multiplicou-se e hoje este contingente de brasileiros já atinge cerca de 20 milhões de pessoas.

E como anda a vida dos idosos? É certo que a realidade de hoje é bem diferente do tempo de nossos avós, a começar pelo respeito que já não é o mesmo de antigamente, pois apesar dos avanços na legislação e algumas ações solidárias, ainda assistimos cenas terríveis de discriminação pela idade. Não são raros os casos de agressões, humilhações e abandono contra aqueles que cometeram o crime de viver mais. É isso mesmo, crime por viver mais. Pois, para muitas famílias, o idoso é um fardo.


Não digo que não haja experiências boas, que ajudam a recuperar a autoestima dos que vivem de saudade, mas, a luta por uma longevidade sáudável deveria ser prioridade nas políticas públicas dos postulantes ao poder. À sociedade cabe a responsabilidade cidadã de forçar por estas mudanças que impliquem em proporcionar métodos de prevenção por uma qualidade de vida melhor para uma população cada vez mais madura. Para que todos os idosos tenham vida longa, com saúde e mais independentência. É nisto que acredito.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

A bolha estourou




Chegou ao fim o ciclo “virtuoso” da economia mundial, capitaneado pelos mesmos especuladores, que venderam a ilusão da riqueza permanente. E, ao contrário do que apregoa o governo, o Brasil sentirá, sim, os efeitos da crise, que, para nós, ficará mais explícita após as eleições. No rastro do efeito dominó, com certeza, virão as medidas duras e necessárias, para evitar o salvem-se quem puder. A conta cairá nas costas do brasileiro que durante anos teve que acreditar no conto de que estávamos prestes a entrar no paraíso. O engodo do crédito fácil e irresponsável virá à tona e aí é provável que a bolha do terceiro mandato também estoure.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Previdente


Apesar dos dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (Pnad) de 2007, revelados esta semana pelo IBGE, demonstrarem avanços sociais, como melhoria na distribuição de renda e na recuperação do emprego formal nos grandes centros, alguns dados sobre o novo perfil da população brasileira se constituem em novos desafios para sociedade. Por conta do envelhecimento acelerado do brasileiro e a diminuição mais intensa do número de jovens, o dilema passa a ser o sistema previdenciário. Pelo modelo atual, não há como garantir os benefícios da aposentadoria num futuro próximo. Trata-se de assunto espinhoso, que nenhuma autoridade pública gosta de tratar, principalmente em período eleitoral, mas mais cedo ou mais tarde, o Brasil terá que fazer uma reforma previdenciária definitiva. Ate agora, o governo que aí está só fez remendos, que temporariamente empurraram o problema para frente. Os velhinhos de amanhã correm o risco de ficarem desamparados e não podemos deixar que isto aconteça.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Lição de realidade


“É um povo triste, vencido. Parece um campo de concentração sem as cercas de arame farpado”. O desabafo é do presidente do TRE/RJ, desembargador Alberto Motta Moraes, ao constatar o clima de medo em duas favelas da Zona Oeste do Rio, que sofrem a ação criminosa de traficantes e milicianos, que, temporariamente, estão sob ocupação do Exército. Ele lamentou que depois que as tropas saírem, o poder voltará para os criminosos.

A notícia é de que o choque foi tão grande, que o desembargador chegou a chorar de emoção, ao constatar a dura vida dos desprovidos de proteção do estado. Na verdade, muitas elites ainda insistem em viver na ficção, encastelados em frigoríficos, procurando fugir de suas responsabilidades no processo de mudança. Talvez o choque de realidade seja necessário no sentido de convencer a nata da sociedade a participar mais ativamente do processo de inclusão social.

Enquanto a desigualdade for apenas acessório nas discussões sociais não mudaremos a realidade de caos de muitas cidades e de suas comunidades carentes, que continuarão abandonadas à própria sorte. A violência é apenas o sintoma mais evidente, pois ganha as manchetes e alimenta a necessidade mórbida por espetáculos de mídia. Às elites, com seu poder de pressão, podem e devem promover as mudanças necessárias para reverter esta situação. O momento econômico é propício para este fim, mas o interesse político/partidário e pessoal do atual governo pode fazer com que percamos esta oportunidade única de acabar de vez com a distância abissal entre os desprovidos e privilegiados.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Grande Irmão


A notícia de que por menos de mil reais é possível comprar sigilos telefônicos de quem quer que seja é mais uma constatação de que vivemos num estado policial, onde a privacidade deixou de ser - há muito - um direito do cidadão. O que antes deveria ser meio jurídico de investigação e combate ao crime organizado, acabou se transformando em instrumento de fazer reféns. O descontrole é total e a bisbilhotice eletrônica está minando ainda mais as instituições. Se não reagirmos, corremos o risco de perder a democracia para os oportunistas e saudosistas do autoritarismo.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Ainda o Pré-sal

A amiga Celeste faz um comentário superinteressante sobre as recentes descobertas sobre
o Pré-sal. Obrigado Cel.
"Cristiane Boa Noite

Vou comentar um pouco sobre este tema polêmico, porque é um assunto ligado também a questão do meio ambiente, e sempre estudo sobre questões ambientais.
É A TPS . Tensão Pré Sal. Todo:, Técnicos, Políticos, estudiosos estão agitados...

O óleo do petróleo atual não é o melhor - é pesado (o Brasil vende)

O Brasil compra óleo leve. (porque Não Tem)

Estou lendo muito sobre este assunto, e fala-se que o sal dificulta e encarece a extração, por causa da complexidade da extração, Não temos equipamentos, temos que comprar, e são caros; porém preserva um óleo leve e de ótima qualidade. (O Brasil Não precisaria mais comprar).

Observando bem, Os Estados Unidos têm sede (donos ) da Amazônia. Pois bem.

Segundo dados, os Estados Unidos, (o grande poluidor) bebem todos os anos sete bilhões de barris. Têm reservas pequenas, apenas para quatro anos. Por isto, têm tropas na Arábia Saudita (260 bilhões de barris de reservas), e frotas navais no Oceano Índico. ETC.ETC.
Os EE.UU, têm sede de petróleo e foram com tudo para o Oriente Médio, assim como A Índia, China .
O México já foi depredado (tinha 52 bilhões de reservas e hoje está com 17).
Venezuela tem reservas insuficientes para a sede norte-americana.
A Indonésia exportou, participou da Opep e vendeu seu óleo a US$ 3 o barril, hoje importa a US$100 o barril.
O Reino Unido não é mais exportador de petróleo no Mar do Norte; bebeu e vendeu demais.
Segundo li, este é o pano de fundo de um possível pesadelo geopolítico.
Não interessa ao Brasil que o Atlântico Sul se converta num Oriente Médio. ?????
A primeira pergunta que faço, depois de ler, ouvir muita gente falar é:

Assim como a Amazônia
O petróleo do pré-sal é nosso?: até quando?
Segundo li, O governo já promoveu nove rodadas de leilões.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que “o petróleo do pré-sal é do povo e não da Petrobras”. Ele também vem afirmando que os recursos vindos da exploração desta reserva devem ser aplicados em iniciativas sociais, como a educação.

Assim como foi a CPMF?????
LI também que:
-- A realidade é que 67% dos acionistas preferenciais da Petrobras são norte-americanos, então o lucro do pré-sal, via Petrobras, ficaria na mão de acionistas norte-americanos. Esse é um ponto muito negativo.
GRAÇAS AO CRUEL F.H.C.
Como fica futuramente a questão da soberania nacional????

Cristiane Brasil

POVO aliás ( Massa de MANOBRA) NÂO SABE DISSO.

Cristiane, Porque não incluem nas escolas grades curriculares matéria sobre Política.

Entendo que a PIOR POBREZA de um país é a POBREZA POLITICA.

Esta Matéria deve ser introduzida na vida escolar das pessoas, desde as séries mais básicas. Afinal estamos no século XXI. AQUI NO BRASIL SERÁ ????
Os Políticos em Geral falam tanto em EDUCAÇÃO, DIREITOS. ..
Na educação básica é que as crianças devem começar a ser estimuladas a exercitar o pensamento conceitual, CRITICO.

Esta matéria deveria ser obrigatória no período escolar, seja no ensino médio, fundamental ou básico.

Quanto mais cedo isto acontecer, mais aptas estarão a desenvolver o pensamento crítico, aí sim teremos um FUTURO Melhor.
Bem Chega !!!!!!!
Cristiane isso vai longe, é um tema complexo, aliás .....
COMO FICA A QUESTÂO AMBIENTAL? AS FONTES RENOVÁVEIS DE ENERGIA? NOSSO PLANETA???? Com esta Queima Toda????

Fique Com DEUS Vamos À VITÓRIA. Bjs. Celezthe

Pré-sal: salvação ou mico?

Ainda sobre as descobertas de petróleo do pré-sal, que o governo apregoa como o passaporte para a redenção do País, o fato é que, se os preços internacionais do produto continuarem despencando, essa redenção não virá tão cedo. É que, como o petróleo está a mais de 7 mil metros de profundidade, sua retirada ficaria economicamente inviável, pois exigiria investimentos de mais de US$ 600 bilhões nos próximos 15 anos.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Tropa de líderes

Os números de candidatos divulgados pelo TRE no Rio revelaram que a representação feminina continua imensamente desproporcional ao de candidatos homens. Para as eleições deste ano são 1.007 homens (77,1%) inscritos contra só 299 mulheres (22, 9%). A Lei Eleitoral exige que os partidos reservem 30% de suas vagas às mulheres, mas praticamente nenhum atingiu o limite legal.

No que depender do PTB, este quadro deve mudar, pois nós, mulheres, há muito tempo já provamos nossa capacidade de também participar das decisões sobre os destinos da sociedade. Neste sentido, mais uma vez o PTB inova ao implementar um projeto que procura incentivar a participação feminina na política. Trata-se do projeto Tropa de Baton, que se constitui numa série de eventos (cursos e seminários), que procura formar lideranças, que, com certeza, contribuirão para o fortalecimento do partido.

Historicamente, a mulher vem mostrando seu valor em todos os setores da sociedade, e já é hora de assumirmos uma posição de destaque também na política. Pois, é através da política que faremos as mudanças necessárias para promover a justiça e o bem-estar sociais. Esta é a minha luta! E é missão da Tropa de Baton.
Nada melhor como um incentivo como a da amiga Telma Silva, que faço questão de publicar, aqui no blog. Obrigado Bjs.

"OLA SENHORA BOM DIAGOSTARIA DE AGRADECER , A SUA VINDA NO NOSSO TERRENO ONTEM A NOITE .ESTOU FELIZ POR TER FEITO A MINHA AGENDA POIS ESTAVA MARCADA A BASTANTE TEMPO ,QUERO AGRADECER EM NOME DE SHELA E TODA NOSSA FAMILIA, MUITO OBRIGADA MESMO PELA SUA PRESENÇA E DE SUA EQUIPE . TORÇO POR VOCE . BJSSS...TENHA UMA BOA SEMANA ."

domingo, 7 de setembro de 2008

Salve 7 de setembro

Neste 7 de setembro, em que se comemora a Independência do Brasil, é preciso estar consciente de que, nestes tempos de globalização, ser independente significa ser autônomo sobre seus destinos, ou seja, que não sejamos influenciados ou forçados a decidir por força da dependência, seja ela interna ou externa. Para tanto, o conceito democrático e de cidadania deve prevalecer ante ao interesse de poucos. Nos últimos anos, o que temos visto, nesta nossa jovem democracia, é a implementação de projetos políticos pessoais, com o intuito exclusivo de perpetuação no poder. O governo que aí está centraliza sua ação em projetos de fortalecimento da máquina estatal, aparelhando o estado, para torná-lo instrumento político único. Numa democracia a alternância é saudável ao progresso social, pois depura as instituições políticas, tornando-as mais afinadas ao interesse público. Só o exercício democrático das eleições serve para a depuração. Por isso, a conscientização e a reflexão políticas são tão importantes neste 7 de setembro. Salve o Brasil!

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Pré-sal, pré-incerteza.


Ainda sobre a determinação do governo em criar uma nova estatal para administrar as riquezas petrolíferas do pré-sal, desprestigiando a Petrobrás, é possível imaginar que tal projeto faz parte da estratégia de manutenção de poder pelo PT. Os recursos igualmente imensos ao volume de óleo do pré-sal, em mãos do governo, serviriam para financiar políticamente a permanência à frente dos destinos da nação. Se isto se concretizar, o País pode retroceder a uma era de incerteza, com um Estado forte e o cidadão enfraquecido. Um socialismo tupiniquim de conseqüências imprevisíveis.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Abrigo Cristo Redentor em recuperação


O Abrigo Cristo Redentor completou, em agosto último, 72 anos de assistência ao idoso carente e abandonado. Depois do impasse entre Prefeitura e União, que quase provocou o fechamento daquela instituição, o que provocaria o despejo dos velhinhos que lá vivem, o governo do estado assumiu o asilo prometendo revitalizar o espaço, que abriga cerca de 300 idosos, atualmente. Segundo a diretora, Ana Furtado, o projeto é "transformar o asilo em pólo integrador", transformando a unidade em um centro de referência no atendimento ao idoso sem recursos de sobrevivência. Contratação de novos funcionários e reordenamento de pavilhões foram algumas das primeiras providências da nova diretoria. Vamos ficar atentos à recuperação do abrigo, que não será mais fechado. O Abrigo Cristo Redentor promove uma campanha permanente de donativos e ajuda de voluntários. Quem pode colaborar é só ligar para (21) 2270-5437, ou mesmo procurar a sede da instituição, na Avenida dos Democráticos, 1.090, em Bonsucesso.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Pela ética, sem hipocrisia.

Nas últimas semanas, os jornais vêm destacando o envolvimento de várias personalidades públicas suspeitas de participação em atos criminosos. Tais fatos levaram a discussão para a questão ética e os instrumentos de depuração da classe política. Atualmente, há um debate sobre a criação de um Código de Ética para a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro. E o jornal O Dia, na edição do último dia 24 de agosto, publicou matéria com a opinião dos vereadores sobre o tema.

Porém, ao ressaltar minha posição inicialmente contrária ao projeto, não deu o devido destaque aos reais motivos que me levaram a tomar preliminarmente tal decisão. Para que não paire dúvidas sobre minha luta pela valorização da ética na política é fundamental deixar claro que o que defendo é uma ação punitiva mais contundente e eficaz, qual seja: qualquer vereador, com prisão decretada por mais de 15 dias, deve ser afastado e seu suplente convocado logo em seguida. Trata-se de um procedimento mais prático, pois permite que o Legislativo dê uma resposta mais rápida e eficiente à sociedade, contribuindo sobremaneira para o processo de depuração no Legislativo carioca.

Sobre a constituição de um Código Ético, é preciso que as discussões evoluam no sentido de evitar que tal conjunto de normas não se transforme em instrumento de poder discriminatório dentro da Casa Legislativa. Se isto ocorrer, há o risco de desmoralização do instrumento ético, aliás, como tem ocorrido em diversas outras instituições públicas, que se utilizam de códigos parecidos apenas para satisfazer a “opinião pública”, ignorando todos os princípios de Justiça. Na verdade, muitas mazelas são camufladas sob a desculpa “democrática” de um código de conduta.

Valores éticos e morais devem ser inerentes aos autênticos em suas convicções e não aos hipócritas de ocasião.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Prata para mulheres de ouro

Não é possível não se emocionar com as lágrimas de nossas guerreiras do futebol feminino na final contra as frias americanas. O Brasil se orgulha pela corajosa e brilhante jornada daquelas brasileiras, cuja vontade abnegada de vencer sempre - contra todas as adversidades -, deveria servir de exemplo aos marmanjos, que não demonstraram ao menos uma simples vontade de vencer. Nunca uma medalha de prata representou tanto o sentimento de brasilidade, que alguns privilegiados insistem em ignorar nos momentos cruciais. Viva as mulheres brasileiras.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Diplomacia do canhão

As riquezas petrolíferas descobertas nas camadas do pré-sal em solo submarino brasileiro mudaram o jogo e as estratégias geopolíticas no mundo ocidental, não só aqui na América do Sul. Um sintoma desta reviravolta foi a reativação da frota nuclear dos Estados Unidos em nossa fronteira do Atlântico. Aliás, navios de guerra ianques estão há algumas semanas ancorados em águas internacionais, bem em frente ao litoral paulista, onde foram encontrados os megacampos de petróleo. Isto assustou os militares brasileiros, que finalizam um ensaio militar de proteção àquela área. Trata-se do maior evento de treinamento de guerra que o País já realizou. A manobra deve reunir tropas e equipamentos das três Forças Armadas. Só este ano, três grandes manobras militares foram realizadas no País, uma delas na região da usina de Itaipu, sob protestos de militares paraguaios.

sábado, 16 de agosto de 2008

Indústria das multas

Não dá pra não se revoltar contra a verdadeira indústria de multas que se instalou no Rio. Em 2007, foram mais de 1 milhão de multas. Não há uma via sequer que não haja os tais pardais eletrônicos, muitos deles completamente sem sincronia com a realidade e sem obedecer um mínimo de planejamento de trânsito. Pois, são várias ruas cujos limites estabelecidos variam em distâncias menores a 100 metros, confundindo muito mais do que ordenando o tráfego. Isso sem falar nas verdadeiras pegadinhas em que os motoristas vêm numa velocidade constante, para em seguida, numa determinada curva, serem surpreendidos por um pardal escondido que lhe aplica multa. A realidade da violência urbana também não é levada em conta pelos "técnicos" em tráfego urbano, pois todas principais vias da cidade, como Linhas Amarela e Vermelha, cotidianamente são palcos de episódios trágicos de criminalidade. É preciso cobrar mais seriedade às autoridades de trânsito e lembrar-lhes de que a voracidade arrecadatória não pode superar os limites do bom senso e a responsabilidade para com a segurança e o direito à livre circulação nas vias da cidade.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Salve a Petrobrás

A proposta em discussão no governo sobre a criação de uma nova estatal do petróleo, por conta das imensas jazidas de ouro negro descobertas abaixo da camada de sal, pode ferir de morte a Petrobrás, maior patrimônio industrial do País. A alegação do governo de que a nova riqueza deve ser da União e não de “meia dúzia de empresas”, como disse Lula em discurso recente, não justifica desbancar a Petrobrás de administrar as novas reservas. Criar uma nova estatal, com todas as ingerências político/partidárias que daí advém, seria um retrocesso. O ideal é que se resguarde o interesse maior da Nação, sem que isto represente a desmoralização da Petrobrás, uma empresa construída sob o suor e o sangue do povo brasileiro. Se alguma mudança vier, tem que ser no sentido de fortalecer a Petrobrás, cuja capacidade técnica é mundialmente comprovada.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Mulher brasileira faz história na China

Todas as mulheres brasileiras devem estar radiantes com a conquista da judoca braziliense Ketleyn Quadros, que obteve a primeira medalha individual feminina da história olímpica do Brasil. Tranquila e determinada, Ketleyn é um exemplo para todas nós que temos sonhos. Com seu desempenho, a lutadora mostra a todas nós que não basta sonhar, mais que isso, nos mostra que é preciso colocar em prática diariamente cada passo necessário para se alcançar aquilo que se almeja. Não tenha dúvidas de que, em alguns dias de seu treinamento, Ketleyn deve ter sentido vontade de não treinar, de ficar á toa, de ir ao cinema ao invés de se dedicar aos treinos. Mas como uma campeã e medalhista olímpica que sonhava ser sabia que cada instante perdido não mais retornaria e fez de cada minuto de seu dia seria um degrau a mais para conquistar seus objetivos. Deu no que deu, ela entrou para os livros e para a história. É um exemplo. Desses que devemos ter como norte em nossas vidas!

domingo, 10 de agosto de 2008

Pai

Pai,
o primeiro herói.
Herói que alimenta
herói que ensina
herói que repreende
herói que afaga
herói que abençoa
herói que ama!

Meu pai, herói!!!

Feliz Dia, Pai!

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Salve a democracia

Sobre a determinação do atual Ministro da Justiça em incitar a revisão da Lei de Anistia, ao propor que militares sejam levados aos tribunais por excessos cometidos nos tempos da ditadura, é necessário primeiro investigar os reais motivos e interesses que estão por detraz da proposta. Para mim, trata-se de uma provocação desmedida e desnecessária, cujo desejo maior talvez seja o de enfraquecer as instituições, com o intuito de promover instabilidade social e política no País. Talvez, ao desafiar o Exército, remoendo o passado, o agente do governo esteja apenas movendo mais uma peça no projeto de perpetuação no Poder pelo governo que aí está. É preciso que a sociedade fique atenta e não compactue com saudosistas do caos, sob pena de lamentarmos mais tarde. A democracia deve ser fortalecida e não merece ser testada a todo momento por oportunistas demagógicos e populistas.

Pela cidadania...

Nas últimas semanas, a sociedade se viu a questionar o direito de qualquer cidadão a concorrer a pleitos públicos, mesmo àqueles com algum litígio na Justiça. Apesar de alguns, principalmente os manipuladores da opinião pública, se mostrarem contrários à participação de qualquer pessoa, que estejam respondendo algum processo, venceu o Estado Democrático e de Direito, cuja pemissa básica é de que todo cidadão é inocente desde que se prove o contrário. Gente, não é possível que, sob a bandeira de se defender a ética e a moralidade na vida pública, passemos por cima da Justiça. A Corte Maior do País decidiu pela Constituição, ou seja, pelo respeito à legalidade. Que a população decida sobre seus destinos. Com isto, as inpugnações serão feitas naturalmente com a depuração implementada pelo exercício livre da cidadania.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Que Rio é este?

Mais uma cena trágica da guerra suja do Rio. Policial prende menores que assaltavam a mão armada transeuntes num dos subúrbios da cidade. Ao chegar na delegacia, num descuido das autoridades, o menor consegue pegar a arma apreendida com ele e atira no policial. O policial revida e os dois morrem. Trata-se do dia a dia de uma cidade, cujas mazelas estão longe de serem resolvidas. É impossível que não haja solução para a violência do Rio. Em outros lugares tão ou mais violentos do que a nossa cidade foi possível debelar situações críticas como a nossa, com determinação e vontade políticas. Não basta apenas a sociedade protestar e chorar suas vítimas. É preciso participar das soluções, começando com um exame de consciência sobre o que cada um de nós pode fazer para mudar isto. A violência urbana não é eterna.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Família é tudo

Nestes tempos em que notícias boas são escassas, é oportuno registrar uma matéria de telejornal que, ao contrário dos registros diários de tragédias, esta retratou a emoção de reencontro entre pai e filhos. O matéria era sobre a megasena acumulada e consistia em registrar depoimentos de populares caso fossem os felizardos. Um desses, era de um carroceiro, quase indigente, que sonhava em voltar para a família em sua cidade natal, em Minas Gerais, da qual se afastara há 17 anos. Pois bem, a matéria correu o País, em rede nacional, e foi vista por um dos filhos deste brasileiro sonhador e aventureiro, que tinha caido no mundo em busca de um sustento melhor. A emissora fez por vez promover o reencontro entre filhos e pai, que, apesar de não ter conseguido a fortuna, reconheceu a felicidade, não nos milhões, mas no reencontro com a família. A verdade é que, apesar dos pesares, não há preço que pague a felicidade em família. São os amores de uma vida.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Desconto em hospedagem para Melhor Idade

O instituto Marca Brasil tem um programa bastante interessante para quem tem mais de 60 anos e gosta de juntar amigos e sair, sem compromisso, passeando pelo Brasil. Trata-se do Viaja Mais Melhor Idade, que oferece descontos de 50% em redes de hotéis e hospedagens no País. Em todo o País são 1.600 hotéis cadastrados. Aqui, no Rio de Janeiro são 147 pousadas, hotéis, spas e congêneres, localizados em várias regiões do estado, como Angra dos Reis, Cabo Frio, Petrópolis e Conservatória. Tem diária custando até R$ 15. Para quem é da Melhor Idade e deseja viajar vale a pena ficar atento ao site www.portaldehospedagem.com.br, onde poderão saber mais sobre o programa.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Ligações perigosas II

Ainda sobre as relações perigosas entre os narcoterroristas das Farc e petistas e simpatizantes do governo Lula, é possível que volte a ser investigada a denúncia de que houve dinheiro da guerrilha em financiamento de campanhas de Lula à presidência. Afinal, as primeiras notícias davam conta de uma ajuda de R$ 5 milhões, antes do primeiro governo Lula. Agora, as recentes revelações da revista colombiana Cambio, com registros reais de contatos entre a cúpula das Farc com membros do PT e do governo, são evidências suficientes para uma investigação pela sociedade. Trata-se de uma oportunidade única para se descobrir a verdade daqueles que sempre se diziam únicos representantes da ética e da moral públicas.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Ligações perigosas

Quanto à "novidade" revelada pelo semanário colombiano Cambio, sobre a ligação de políticos brasileiros e membros do governo Lula com os narcoguerrilheiros das Farc, é muito mais do que oportuna, neste momento de mais um teste democrático das eleições. Talvez, a sociedade entenda a gravidade e o risco para o País essa "revelação", pois lá, na Colômbia, as Farcs tiveram origem também em "inocentes" movimentos sociais. Aliás, pelo interior do País estão espalhadas sementes de vários movimentos ditos sociais, que escondem, na verdade, retrógradas pretenções revolucionárias. Pouca gente se deu conta do perigo à espreita.

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Máfia dos transplantes


A se confirmar as acusações sobre a Máfia dos Transplantes e, se as investigações forem realmente para valer, é possível que não sobre pedra sobre pedra, já que, apesar da prisão dos médicos responsáveis pelo sistema de transplantes, não é admissível que autoridades do ministério da Saúde não tenham que responder pela falta de controle. Até agora, morreram seis pessoas que aguardavam sua vez na fila. Ao mesmo tempo, as autoridades erram ao suspender as cirurgias, pois a saúde dos que esperam na fila, e que não têm nada a ver com a máfia, não pode esperar.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

A polícia que queremos II


Tomo licença ao Gustavo de Almeida, do Blog da Segurança, de O Dia, para postar um desabafo de um policial militar, que corresponde a visão do outro lado, que poucos dão ouvidos. Nestes tempos de guerra civil, principalmente no Rio, é fundamental que a sociedade se digne a olhar para o seu umbigo e reflita sobre suas responsabilidades para a situação atual.

"Criticar o PM é muito fácil, afinal, a sociedade fluminense é perfeita moralmente, enquanto a PM carioca é a que mais mata, é corrupta e tem mil defeitos.A nossa sociedade é ética, não dá propina, não faz gato no relógio, não aceita gatonet, não tem filho drogado em casa.A Polícia é mal preparada, o policial não tem auto-controle em situações de crise, não sabe atirar nem quando atirar. Se o policial se originasse da sociedade carioca teríamos uma excelente Polícia.O policial é violento, é alcoólatra, é gordo, é aculturado, não provém de boa família e logo não tem boa formação. A sociedade é de paz, não usa drogas, dirige com prudência, não agride domésticas e nem maltrata prostitutas por preconceito.A sociedade não alimenta o tráfico nem atura que seus filhos das classes abastadas, principalmente que as lindas moças subam os morros e troquem seus corpos por sacolés de cocaína e pose para fotos com fuzis.Os jovens das classes abastadas não são brigões, isso é coisa de pobre e de policial. Os jovens da sociedade não 'tomam bala' nas festas rave, pois isso pode matá-los precocemente, e no mais, seus pais estão sempre atentos e por perto.A polícia e seus policiais não fazem parte da sociedade. São duas coisas totalmente distintas, as pessoas e os policiais.Já dizía Lendro Sapucahí: "o Judiciário está todo comprado, o Legislativo financiado e o pobre coitado que joga seu voto no lixo, não sei se por raiva ou só por capricho, coloca a culpa de tudo nos homens do camburão..."Culpar os caras de azul é mais fácil. são cães sarnentos. Já se acostumaram a apanhar. AFINAL, POLICIAIS SÃO FEITOS PARA MORRER, NEM QUE SEJA POR R$ 800 POR MÊS."

terça-feira, 29 de julho de 2008

Revolução silenciosa




A imprensa tem dado pouco destaque às estratégias de ajuda institucional ao MST. Por exemplo, já chega a quase R$ 60 milhões o financiamento público do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), cujo maior beneficiado é o MST e suas congêneres. Hoje, já são quase 4 mil alunos fazendo 49 cursos universitários de Agronomia, Direito, Geografia, entre outros. Só que para entrar no programa não precisa fazer nenhum vestibular e, sim, ser indicado por algum líder sem-terra. Além disso, o aluno recebe uma bolsa de ajuda pública de R$ 300. Para mim, trata-se de mais um passo na silenciosa revolução que este governo está a implementar dentro de seu projeto de perpetuação no poder. Quem viver, verá.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Sou você amanhã


E o caos aéreo voltou! Só que na Argentina. Centenas de brasileiros, que preferiram a AA (Aerolíneas Argentinas) para passar férias em Buenos Aires e Bariloche, estão passando o maior sufoco para voltar ao Brasil. A verdade é que a AA está falida depois de um obscuro processo de privatização, cuja irresponsabilidade dos dirigentes resultou em salários de funcionários atrasados e deficiência na manutenção técnica dos aviões. Ou seja, acabaram com a empresa. O governo de Cristina Kichner está reestatizando a Aerolíneas Argentinas, mas, até lá, o pior pode acontecer. Enquanto isto, aqui no Brasil, “resolveu-se” a crise reajustando as passagens em até 200% e acabando com as promoções. E as promessas de ampliação de aeroportos e outras medidas para dar conforto aos viajantes ficaram na esperança.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

O Rio não merece II


É impressionante como a banalização da violência vem transformando o comportamento de grande parte da população do Rio. Pois, são tantos os crimes brutais acontecendo pela cidade, que muitas pessoas estão achando normal, tratando como uma fatalidade natural de uma grande cidade. Que absurdo! O caso mais recente foi o de um corpo de um morador de rua, encontrado queimado em uma rua, em pleno centro do Rio. No depoimento à uma repórter, um comerciante das proximidades disse achar normal, pois já faz parte do cotidiano da cidade. Este tipo de comportamento é que temos que repudiar. Não podemos nos conformar com isto jamais, sob o risco de perdermos a humanidade e assumirmos a barbárie. Ninguém merece!

quinta-feira, 24 de julho de 2008

O Rio não merece

Ainda sobre a guerra suja do Rio, em que traficantes, milícias e tropas do estado disputam o espaço urbano, tendo uma população de milhões de cariocas no meio dos combates, é importante que os governos reconheçam que a crescente favelização da cidade é componente fundamental para o estado crítico a que chegamos, em pleno século XXI.
Pouca gente se deu conta ou insiste em não enxergar que a falta de uma política habitacional para baixa renda é, se não o maior, um dos principais fatores para a violência urbana. Na verdade, a cumplicidade tolerante dos governos para com as invasões e construções irregulares resultou em complexos inexpugnáveis em praticamente todos os bairros da cidade. São labirintos de previsíveis conseqüências de degradação ambiental, que contribuíram sobremaneira para o atual estágio de caos social e urbano.
São populações inteiras sob o julgo de gangues, que cresceram com a complacência e até parceria do Estado, que insiste em tratar a violência pública unicamente como assunto de polícia. É preciso atentar também para as políticas inicialmente postas em prática para transformar favelas em bairros, que acabaram por multiplicar e institucionalizar a desordem urbana. Basta ver o que aconteceu com históricos e bucólicos bairros dos subúrbios da Central ou da Leopoldina, que se transformaram em bairros-favela, tal o grau de degradação e abandono que atingiram por causa de posturas no mínimo demagógicas de autoridades egocêntricas e populistas. Na verdade, tais políticas só serviram a grupos de oportunistas que comercializam e sobrevivem das carências e ignorância das massas, sobrevalorizando migalhas assistencialistas, num primeiro momento simpáticas, mas que, na verdade, eterniza a acomodação de quem só tem a esperança por salvação. Aliás, pouca gente se deu conta que, talvez, esteja sendo preparado o terreno fértil para aventuras pouco ortodoxas sob a bandeira de se resgatar a justiça social. Sabemos que os primeiros passos para tal consiste na desmoralização das instituições juntamente com incentivos à tensão social, práticas estas que fazem parte do cotidiano atual de, praticamente, todas grandes cidades do País. É preciso salvar a democracia dos aproveitadores de plantão.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Milícias x Rio

Há uma confusão sobre o fenômeno das milícias no Rio de Janeiro. Primeiramente, a mais famosa delas, a da comunidade de Rio das Pedras, existe há mais de 30 anos, sob a tolerância do Estado, pois afastava o tráfico de drogas. Porém, o poder econômico fez com que divergências aflorassem provocando disputas internas, que despertaram a atenção da mídia e, por consequência, também do Estado. Por conseguinte, outras comunidades dos subúrbios e periferias passaram a sofrer influência de grupos armados, que expulsaram o tráfico, vislumbrando os lucros proporcionados na exploração de serviços de gás, transporte clandestino, entre outros ilegais. O que ainda não ficou claro e precisa também da atenção das autoridades é que o problema atinge também condomínios e bairros da Zona Sul e o "serviço de segurança" recebe a simpatia e/ou a tolerância de alguns. É isto que ainda precisa ser evidenciado, com o intuito de evitar a propagação do mal a ponto de este tornar-se irreversível.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Unati forma mais 450 cuidadores de idosos



A Unati/Uerj (Universidade Aberta da Terceira Idade) formou, no último dia 18, mais uma turma de cuidadores de idosos. Desta vez, foran 450 alunos, que agora estão habilitados a prestarem um serviço especializado ao segmento da população do Rio que mais tem crescido nos últimos anos.

O que gostaria de destacar é o trabalho pioneiro desenvolvido pelos profissionais da Unati, tendo à frente seu diretor-geral Renato Veras, que é um abnegado na defesa por melhores condições de vida para a população idosa do estado. Parabéns a todos os que contribuem para o fortalecimento da Unati, que precisa,sim, ser evidenciada como instituição exemplo na luta pelo reconhecimento dos valores e direitos da Terceira Idade.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Operação solta, agarra...

Ainda sobre a operação solta, agarra e abafa da PF, no maior escândalo, até agora, deste governo, por mais que insista na volta dos delegados afastados à investigação, as autoridades não conseguirão reverter o estrago na credibilidade de uma apuração isenta. A intromissão indevida do governo só fez com que o escândalo mudasse de foco, pois os personagens principais deixaram de ser Daniel e sua trupe e passaram a ser os delegados e a cúpula do governo, com Lula à frente. Quem perde é a instituição e a opinião pública, que ficam perdidos numa armação confusa, cujo objetivo único é desviar a atenção dos verdadeiros culpados.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Operação agarra, solta e abafa


Sobre a Operação Satiagraha, o maior escândalo político do País, até agora, não dá para aceitar a verdadeira operação abafa que estão fazendo para que a investigação não chegue até ao fim, com a identificação de todos os culpados por crimes contra a Nação. Afinal, não há explicação lógica para o afastamento dos delegados da Operação Satiagrahha, que extranhamente pediram para sair. A verdade é que documentos decobertos numa parede falsa do apartamento do banqueiro Daniel Dantas, passados quase uma semana do achado, ainda não foram divulgados. Talvez esteja aí a causa do afastamento dos delegados, pois há quase a certeza que tais documentos revelem elos de ligação do escândalo às autoridades de Brasília. Aliás, pelo menos três casos, envolvendo autoridades próximas à cozinha do Planalto, tiveram investigadores isentos substituídos. Foi assim no caso do assassinato de um prefeito do PT, no caso da prisão do marketeiro de Lula numa rinha de galos e no tal dossiê contra tucanos. Esta operação atual, solta e agarra, agarra e solta, tem tudo para acabar numa enorme pizza.

terça-feira, 15 de julho de 2008

A maioridade do Estatuto da Criança


Ainda sobre os 18 anos do estatuto da Criança e do Adolescente, tomo licença à IVONE BOECHAT, para transcrever seu texto, que é mais que oportuno nesta data em que não há muita coisa a comemorar:


“Confissões de um menor abandonado


“Eu sei que sou culpado. Não tive capacidade para assumir a administração de minha vida. Não fui capaz de resolver as emoções infantis nem consegui equilibrar-me sobre os obstáculos que herdei da sociedade.
Até que me esforcei! Olhei para a vida de meus pais, porém, os desentendimentos de seu casamento falido nublaram os tais exemplos de que ouvi falar, só falar.
Não tive o privilégio de me aquecer no meu próprio lar, porque lhe faltou a chama do amor, sustentando-nos unidos. Cada qual saiu para o seu lado. Na confusão da vida me perdi.
Candidatei-me à escola. Juntei a identidade civil à foto desbotada, botei a melhor farda de guerreiro, entrei na fila. Humilhado por tantas exigências, implorando prazos, descontos e vaga, sentei-me num banco escolar, jurei persistência, encarei o desafio.
- Joãozinho, você não sabe sentar-se?
- Joãozinho, seu material está incompleto.
- Joãozinho, seu trabalho de pesquisa está horrível.
- Joãozinho, seu uniforme está ridículo.
A barra foi pesando, fui sendo passado para trás e vendo que escola é coisa de rico. Um dia, arrependi-me, mas a professora se escandalizou das faltas (nem eram tantas!) e disse que meu nome já estava riscado, há muito tempo. O que fazer? Dei marcha à ré ali e, olhando a turma, com vergonha, fui saindo.
Moro nas marquises, debaixo da ponte, nas calçadas e não moro em lugar nenhum. Tenho avós, pais, irmãos e primos, mas não tenho família. Tenho idade de criança e desilusões de adulto. Minha aparência assusta as pessoas e nada posso fazer. A cada dia que passa, estou mais sujo, mais anêmico, mais fraco.
Sou um rosto perdido, perambulando em solo brasileiro. Na verdade, chamam-nos menores, todavia, somos os maiores desgraçados.
Vendo balas num sinal de trânsito que muda de cor a cada minuto. Quando o sinal fica vermelho, os carros param, meu coração dispara. Para nós, menores abandonados, o vermelho é a cor da esperança.


Ivone Boechat”

Obrigado Ivone.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

A polícia que não queremos


Ainda sobre as polícias do Rio de Janeiro. Li, recentemente, nos jornais que alguns policiais, munidos de computadores de bolso e rádios comunicadores foram flagrados utilizando os apetrechos para acharcar motoristas de veículos, principalmente os de luxo, em circulação ilegal pelas principais vias da cidade. Pelo rádio ou palmtop descobriam, pela placa, que o veículo-alvo devia alguma coisa ao Poder Público, e, assim, paravam o veículo. Na conversa vai conversa vem liberavam o incauto depois de apertos demorados de mão. A corregedoria agiu rápido, tirando os PMs das ruas e instaurando sindicâncias. A novidade da história é que os proprietários também serão chamados à Justiça, para explicações, pois também cometeram crime. Nada como andar na linha!

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Nunca antes na história deste País, a saúde pública esteve tão doente


A tragédia do menino João, morto numa ação desastrada da PM, revelou à sociedade carioca um outro drama, que se tornou crônico, mas que não tem sensibilizado às autoridades públicas da área de saúde. Trata-se da situção caótica em que se encontra o sistema de transplantes de órgãos no Rio. A família do pequeno João doou os órgãos do menino, mas apenas uma córnea pôde ser utilizada, pois o único banco de olhos do estado fechou por falta de recursos. Com isto, as milhares de famílias que lutam contra o tempo para resgatarem a saúde de seus entes queridos gritam por socorro. E os (i)responsáveis fingem que não é com eles. À propósito, a família do primeiro da fila para transplante de fígado, não precisou esperar por mais tempo: o paciente morreu, depois de o Hospital Universitário do Fundão ter suspendido os transplantes por falta de condições. Enquanto isso, o governo quer criar mais impostos, sob o argumento mentiroso de que é preciso "mehorar a saúde pública deste País".

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Não à guerra...II


Postei no último dia 7 do corrente o comentário “Não à guerra, queremos paz”, sobre a tragédia do menino assassinado por policiais na Tijuca, no qual conclamo a todos que amamos esta cidade, a participar de alguma forma, visando mexer com o espírito solidário e cidadão do carioca. E o amigo internauta Edmar Alves de Azevedo fez considerações relevantes, com as quais concordo em todos os sentidos. Por isso, fiz questão de publicá-las. Obrigado pela participação.

“Estado tem negligenciado ao longo da história do papel que caberia desenvolver junto as comunidades carentes e permitiu com sua ausência o crescimento do "estado paralelo" com sua regras e leis específicas.Não há mágica para resolver questões tão complexas e multifacetadas. Hoje o Brasil gasta com recursos públicos em educação 0,4% do PIB, porém seria necessário o dobro para suprir as demandas do plano nacional de educação. Gasta-se três vezes mais com segurança pública e se parte deste gasto fosse revestido para educação, mal precisaríamos de tanta polícia, o caminho e a saída para tudo que esta ocorrendo, sempre foi a educação e as melhorias na qualidade de vida do cidadão brasileiro. A criminalidade aumenta paralelamente com a degradação do ensino no pais. Dados do Ministério da Educação revelam que 52% doa alunos da quinta série das escolas públicas são completamente analfabetos e a taxa de repetência entre alunos da primeira a quarta série no Brasil, segundo a Unesco equivale aos de Moçambique e Eritréia. O Brasil precisa com urgência de uma ampla reforma do sistema educacional ou estaremos fadados ao atraso. A violência urbana e a resposta do descaso do poder público”. Edmar Alves de Azevedo

terça-feira, 8 de julho de 2008

A guerra do Rio



Ainda sobre a tragédia, que ceifou mais uma jovem vida inocente, me vêm à memória, dois eventos semelhantes que igualmente vitimaram inocentes: um aconteceu na Zona Sul, em 2004, quando uma idosa foi morta por policiais dentro de seu automóvel, junto com o bandido lhe assaltara; o outro, foi na saída do Complexo do Alemão, também há alguns anos, quando uma patrulha fuzilou um Passat velho, dirigido por um mecânico, que socorria a mulher em trabalho de parto. Só o mecânico sobreviveu. O que estes três casos têm em comum, além da falta de preparo dos policiais? Todos veículos tinham película escura nos vidros. Naquelas ocasiões, li alguma coisa sobre a ineficácia dos vidros escuros para a segurança dos motoristas, principalmente no ambiente de guerra urbana em que nos encontramos há décadas. Na crítica, o autor argumentava que o despreparo de policiais associado ao estresse e ao medo do conflito diário levam ao “atire primeiro, pergunte depois”. No mesmo artigo, o autor argumentava ainda que a simples existência de película escura não impedia assaltos e não intimidava bandidos. O fato é que, enquanto estivermos tratando a questão da segurança pública apenas como caso de polícia, continuaremos a chorar vítimas inocentes. Em algum momento a sociedade terá que impor um basta, obrigando autoridades a implantar políticas sérias de resgate à Paz e à segurança, que todos almejamos e merecemos. E estas incluem, em primeiro lugar, educação e justiça.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Não à guerra, queremos Paz


O Rio começa a semana chorando mais uma tragédia por causa da violência. Na Tijuca, no último final de semana, uma família teve o carro fuzilado durante toroteio entre policiais e bandidos. A incosequência e o despreparo fizeram com que mãe e filho de 3 anos fossem baleados, ao voltarem para casa depois de se divertirem numa festa. O menino morreu. Mas o que estarrece é que fatos lamentáveis como este só ficarão em destaque até a próxima tragédia, quando se tornarão apenas estatística. Não podemos deixar que o Rio se acostume e aceite este cotidiano. O importante é não se conformar e continuar acreditando que é possível, sim, reverter este quadro. Só depende de nós.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Mulher coragem



Depois de 6 anos em cativeiro na selva, a senadora Ingrid Betancourt foi libertada pelo Exército da Colômbia, numa operação espetacular. O grande perdedor desta história toda é o aprendiz de ditador, o chapolim Chaves, e porque não dizer, também Lula, pois sua simpatia para com os narcoguerrilheiros das Farcs não é mistério pra ninguém. Ganham os verdadeiros democratas da América do Sul. Aliás, seu exemplo de coragem e determinação deveria inspirar outros aspirantes à vida pública, principalmente aqui no Brasil, onde, desde a democratização, vivemos numa constante crise de valores.

quarta-feira, 2 de julho de 2008

(Des) ordem urbana


O choque de ordem na Barra da Tijuca anunciado esta semana pelo governo estadual é a desmoralização total da Prefeitura, pois a competência pela ordem urbana da cidade é muncipal. É lamentável e patético este final da era Cesar Maia. O que começou como uma gestão profissional, em que a tolerância zero contra a anarquia ganhou o aplauso do carioca, o final de governo se caracteriza pelo total abandono da cidade. A desordem atinge praticamente todos os bairros, mas são os do Subúrbio e Zona Oeste, onde a degradação é maior, que deverão merecer atenção especial do próximo prefeito.

terça-feira, 1 de julho de 2008

Mais lenha na fogueira da inflação

Apesar de Lula propagar que o País vai às mil maravilhas, a realidade da população continua na desesperança. A inflação continua a corroer o bolso do trabalhdor. E os jornais de hoje já trazem os aumentos autorizados por Lula: 17% para o GNV (o gás veicular), 7% para álcool e gasolina, 6% para gás de cozinha e 13,44% nos planos de saúde. O dieesel vem com aumento disfarçado pelos aditivos de cerca de 2%. A única verdade é que tais aumentos, principalmente dos combustíveis, vai elevar todos os demais preços da economia. É o populismo levando o País a um passado de triste memória (inflacionária).

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Inflação de volta



Depois de trazer de volta a inflação, este governo ressuscita agora a indexação. Com recursos públicos, o governo aumentou em 8% o valor do Bolsa-família para compensar os reajustes dos produtos que compõem a cesta básica. Já está previsto ainda o repasse da inflação aos preços dos combustíveis, incluindo a gasolina e do gás, atingindo diretamente o bolso da população, principalmente dos trabalhadores. Ao invés de fazer o dever de casa, ou seja, gastar menos, preferem aumentar os impostos para gastar mais, alimentando a espiral inflacionária. A sede de poder é maior, e irresponsavelmente este governo está jogando no lixo todo o esforço que esta Nação fez para pôr a economia em ordem. Será que não enxergam que a inflação só prejudica os mais pobres?

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Dengue no século XXI


A dengue continua matando no Rio, apesar de o assunto não mais despertar a atenção da mídia como no auge da epidemia. O número de óbitos confirmados já chega a 143, sendo que as causas de outros 100 estão sendo investigadas. O que assusta a todos é o fato de as autoridades já anunciarem uma epidemia maior para 2009. Será que assistiremos mais uma tragédia anunciada com passividade? Será que caberá à população apenas a resignação pelo abandono? Não à dengue e à irresponsabilidade?

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Mulher do Brasil


Nestes tempos em que atributos nobres são substituídos por compostos plásticos como referência da mulher brasileira, o exemplo de Dona Ruth deveria refletir para todos os brasileiros a imagem de mãe, de capacidade, de competência, de garra, de brasilidade, de solidariedade, tudo isso num invólucro de discrição, que só os seguros de espírito cultuam hoje em dia. À Dona Ruth Cardoso a nossa reverência e admiração pela determinação na luta contra as desiguadades.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Violência contra idoso começa em casa

Durante o 6º Fórum de Políticas Públicas para a Terceira Idade, cujo tema foi "A violência contra a pessoa idosa", constatou-se, mais uma vez, que a maioria dos crimes contra o idoso acontece em casa. Ou seja, os algozes são "entes queridos". Os crimes visam, em sua maioria, pensões e aposentadorias. É uma violência silenciosa que a sociedade não pode ignorar. Denuncie sempre!

segunda-feira, 23 de junho de 2008

A guerra do Rio


Sobre toda essa questão do Exército no Morro da Providência, continuo achando que a instituição acabou caindo na vala comum das polícias do Rio, ou seja, o despreparo invariavelmente resulta na desmoralização. Aliás, não se combate violência urbana apenas com repressão, pois isso só evidencia as carências do aparelho polícial, exacerbando ódios ao Estado. Outra coisa: a violência do Rio não é a mesma de outras grandes cidades do País. Aqui, armas de guerra fazem a diferença na hora de impor o terror. A democracia tem sim os instrumentos adequados para a situação, só que interesses políticos superam as responsabilidades que o Poder Público deveria ter para com a sociedade.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

O dragão do PT


Depois de algum tempo fora das manchetes, a mídia tem dado destaque às preocupações de todos com a volta da inflação, que pelo índice IGP-10 da FGV já chegou aos dois dígitos (12%). O governo que aí está atribui a alta, numa hora, ao ambiente externo (crise americana, alta em produtos com preços internacionais, etc.), noutro momento, ao desenvolvimento do País, que resultou numa inflação de demanda. Bem, como remédio para conter a fúria do dragão, o governo aumenta os juros e estuda restrição ao crédito.
Porém, o que este governo procura esconder é sua responsabilidade na volta da INFLAÇÃO. Afinal, os gastos exorbitantes é fator contribuinte à inflação. Isto eles não querem assumir.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Abaixo a ditadura do MST

Numa decisão inusitada, como qualificou o jornal gaúcho Zero Hora, a Justiça daquele estado determinou a “remoção” de acampamentos do MST, no município de Coqueiros do Sul. A medida visa impedir que os “sem-terra” continuem com as invasões que praticam ha quatro anos na região, mais precisamente à Fazenda Coqueiros.
Segundo o MP gaúcho, o MST tem cometido diversos crimes, como roubo de reses, desmatamento, invasão e depredação de propriedades para forçar a desapropriação da Fazenda Coqueiros. Só que o governo federal decidiu que a fazenda é produtiva e, pelas regras atuais, não deve ser desapropriada. Mesmo assim, os sem-terra insistiam em cometer atos violentos para forçar a desapropriação. Numa decisão corajosa, a Justiça gaúcha mostra que no Estado Democrático e de Direito em que vivemos não há espaço para aventuras terroristas como as propagadas por alguns que se dizem defensores de movimentos ditos sociais, que, na verdade, estão a propagar a luta de classes. Esses saudosistas retrógrados esquecem que o Brasil do século 21 é outro e não tolerará intenções autoritárias e ditatoriais, como alguns almejam.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Idoso não merece esquecimento


Recentemente terminamos um balanço parcial das atividades da Comissão do Idoso este ano, como está registrado, com mais detalhes, aí ao lado, no site. Nele, constatamos um aumento dos maus-tratos aos idosos, com o consequente reenvio das denúncias à Justiça. Mesmo ao militar toda minha vida pública pela causa do Idoso, não consigo deixar de me revoltar contra esta realidade e, principalmente, contra àquelas personalidade públicas, que se dizem chocadas quando tais fatos são repercutidos na mídia, porém, quando o fato esfria, esquecem. O que essas pessoas não entendem é que a luta pelo reconhecimento do valor e da experiência dos idosos para a sociedade deve ser cotidiana. É isto que a sociedade espera de todos nós sempre.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

A guerra suja do Rio


Depois dos episódios de violência e mortes suspeitas de execuções envolvendo as polícias civil e militar, agora é o Exército que suja as mãos com sangue, na guerra suja que tomou conta do dia a dia do Rio de Janeiro. O caso dos três moradores da Providência, rendidos pelos militares e, depois, aparecerem mortos num lixão, não só manchou a antes imaculada imagem do Exército, como, também, demonstrou que a repressão só serve para gerar mais ódio e desesperança. Se não conquistarmos corações e mentes da população e fazê-la parceira contra o crime, não conseguiremos nada. Porém, para conquistar a confiança é preciso antes merecer esta confiança. Enquanto o medo prevalecer, as instituições continuarão desacreditadas. A violência é uma questão política. É preciso, antes de tudo, vontade e determinação políticas para transformar o povo em aliado nesta luta.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Xô CPMF

A volta da CPMF travestida com a denominação CSS é, ao mesmo tempo, um acinte ao Estado Democrático de Direito e a oficialização do Estado Policial, pois ao permitir a bisbilhotagem oficial, viola privacidades e, além disso, confunde num mesmo balaio contribuintes e sonegadores.