sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Lugar do idoso é com a família

Vem chegando o final do ano, época em que as festas natalinas se aproximam. Um fenômeno de comportamento de algumas famílias vem sendo registrado pelas assistentes sociais daqui da Secretaria de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida da Prefeitura do Rio.

São ligações de pessoas pedindo informações sobre estabelecimentos de internação provisória para idosos, os tais asilos ou abrigos, que, por conta de viagens e passeios para comemorar o Natal e Ano Novo, a família procura para deixar os mais velhos.

Por dever de ofício, temos que prestar todos os esclarecimentos, mas revolta saber que, para algumas pessoas, idosos não são entes tão queridos a ponto de fazer parte das festas de congraçamento de fins de ano. Indesejáveis, mesmo. Independente das razões alegadas, para mim, nada justifica tal descaso.

A minha orientação é tentar convencê-los de que o abandono do idoso, justamente em datas festivas, é, no mínimo, uma falta de consideração e respeito para com aqueles a quem deveriam reverenciar por ter lhes reservado a vida. Afinal, foram eles que iniciaram - e quiçá perpetuarão por gerações - o nome dessas famílias.

Na verdade, este tipo de comportamento não é incomum. Acontece muito mais vezes do que se imagina. Mudar isto, só com muita conscientização. É preciso mostrar que estão cometendo crime, sim. Pessoas assim só vêem a realidade atual. Ignoram que não serão eternos e, com certeza, não desejarão ser tratados do mesmo jeito que tratam seus velhinhos.

Para estes, só nos resta apelar para a consciência, procurando despertar neles que, no futuro, a saudade tomará lugar dos prazeres passageiros da juventude. Nestas festas de fim de ano, como em todas datas festivas, não isole seu parente idoso.

3 comentários:

Rita Souza disse...

boa.. serve de puxão de orelha pra muita gente!!!!!

Carme Lúcia, professora do Engenho Novo disse...

concordo, mas o povo brasileiro, principalmente das grandes cidades, não respeita os mais velhos.

vaniasilva disse...

Ja tive a oportunidade de ter um idoso em casa.E todos da família o tratava como um fardo.Até que conheci alguem que nos ensinou tratá-lo de maneira carinosa.Daí tudo se tonou mais fácil e eu aprendi que ele era muito mais importante do que eu imaginava.Siga o meu exemplo e faça o mesmo com seu idoso.