segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Lição suíça


É impressionante o poder da mídia, que nos faz julgar fatos de acordo com suas manchetes. E o episódio da brasileira supostamente torturada por nazistas na Suíça, que ganhou contornos dramáticos e sensacionais, com detalhes da gravidez perdida e mutilações, é emblemático, pois
causou até incidente internacional.

A precipitação levou-nos a reações de repulsa nacionalista contra a "barbárie" num país suprassumo do primeiro mundo, deixando até o presidente Lula numa saia-justa depois que parte da verdade veio à tona. Independente da investigação pela verdade, o que queria destacar é que este fato faz-me refletir o quanto somos suscetíveis à primeira manchete, que, por muitas vezes, já trás no bojo apenas interpretações, que necessariamente não correspondem à realidade dos fatos.

Isto é um grave erro da mídia, não só a nacional, é claro, que, decide muitas vezes de acordo com seus interesses, preferindo a versão ao fato, não importando se é verdadeiro ou falso. O pior é que, quando há a admissão do erro, o destaque para correção nunca é o mesmo e nem a repercussão tem a mesma proporção da manchete escandalosa. São instituições, reputações e vidas jogadas no lixo da noite para o dia, sem nenhum ou pouco espaço à defesa.

Não acredito que a cultura e a mente do povo estejam somente abertas ao que é sensacional e trágico, e que a paixão mórbida é real à maioria da sociedade. Se for isto, precisamos mudar urgentemente estes hábitos. Para tal, não vejo outra saída que não seja através da educação, usando a mídia menos para o entretenimento e mais para a difusão de informação de qualidade.

Um comentário:

Wilson Oliveira - Professor disse...

O objetivo da mídia é a boa informação. Mas, é usada com o interesse comercial e, acima de tudo, político. Pois, ao enburrecer o povo, este se contenta com qualquer BBB. Concordo com vc, que a TV poderia e deveria ser instrumento só para educar.